16 setembro 2007

Romantismo - Cecília Meireles

Quem tivesse um amor, nesta noite de lua,
para pensar um belo pensamento
e pousá-lo no vento!...
Quem tivesse um amor - longe, certo e impossível -
para se ver chorando, e gostar de chorar,
e adormecer de lágrimas e luar!
Quem tivesse um amor, e, entre o mar e as estrelas,
partisse por nuvens, dormente e acordado,
levitando apenas, pelo amor levado...
Quem tivesse um amor, sem dúvida nem mácula,
sem antes nem depois: verdade e alegoria...
Ah! Quem tivesse... (Mas quem tem? Quem teria?)

Romantismo - Cecília Meireles
Amadíssimo Senhor

eu tenho um amor

...que me faz flutuar
que me faz subir escadas com o coração aos pulos
e as mãos tremendo

...que me faz chorar de alegria,
adormecer suavemente
e acordar ainda mais feliz...

...que me faz nadar num mar de desejo,
dá ao meu sorriso o brilho das estrelas
e tem um astro no olhar

... que me faz gritar, murmurar, rezar!

carinhos reverentes de gratidão e admiração
e beijos ardentes de paixão e desejo

SUA maria da luz

1 comentário:

U Ó Mãe Que Dava Pulos disse...

Escrava és de livre vontade... por isso és grande... e mil vezes bela!No corpo e na alma.