13 janeiro 2011

soneto de amor - José Régio


Não me peças palavras, nem baladas,
Nem expressões, nem alma...Abre-me o seio,
Deixa cair as pálpebras pesadas,
E entre os seios me apertes sem receio.

Na tua boca sob a minha, ao meio,
Nossas línguas se busquem, desvairadas...
E que os meus flancos nus vibrem no enleio
Das tuas pernas ágeis e delgadas.

E em duas bocas uma língua..., - unidos,
Nós trocaremos beijos e gemidos,
Sentindo o nosso sangue misturar-se.

Depois... - abre os teus olhos, meu amado!
Enterra-os bem nos meus; não digas nada...
Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce!

soneto de amor - José Régio

Amadíssimo Senhor

Não precisamos de nada para o Senhor saber que sou SUA
só e absolutamente SUA...
olhos nos olhos, as almas se entendem sem dúvidas.
Obrigada por ter me escolhido e me conservado como SUA escrava querida.

beijos submissos

SUA maria da luz

4 comentários:

Jose Sousa disse...

Penso que é a primeira vez que venho até seu espaço. O que li, aqui, gostei e vou ser seu seguidor. Seja meu também em:

www.congulolundo.blogspot.com
www.minhalmaempoemas.blogspot.com
www.queriaserselvagem.blogspot.com

Um abração e tudo de bom.

maria{SS} disse...

Obrigada José Souza pelo seu comentário.
Seus blogs já estão linkados aqui.
beijo

maria{SS}

dog pet disse...

q lindo blog, e linda foto!!
petbjoss...

maria{SS} disse...

Querida dog pet

muito obrigada pelas suas palavras!
desculpe-me a demora em responder, mas ando com trabalho demais e pouco tempo para o prazer
beijos doces

maria{SS}